Atualizado em 18:40

Homem afirma matar jovem do Tocantins por desacordo no preço de programa



Publicação do Correio de Uberlândia

O suspeito de matar a jovem do Tocantins, Késia Freitas Cardoso, em Uberlândia, confessou a autoria do crime na tarde desta quinta-feira (22) em depoimento ao delegado de Homicídios da Polícia Civil, Matheus Ponsancini. Depois do depoimento, o delegado informou em uma coletiva de imprensa que a morte foi motivada por um desacordo sobre o preço cobrado por um programa.

O suspeito disse que fez um acordo de R$ 200 por uma hora, mas a vítima, ao chegar no local combinado, teria dito que tinha vinte minutos disponíveis. Com isto, eles discutiram sobre o valor a ser pago. Os dois estavam na casa dos pais do suspeito, localizada no bairro Santa Rosa, zona Norte de Uberlândia.

Ao se dirigirem para a cozinha, segundo o suspeito, Késia teria dado nele um golpe conhecido como “gravata” e, então, ele pegou uma faca e lançou-se para trás, atingindo a vítima. O suspeito disse que, ao perceber que Késia estava morta, enrolou o corpo num lençol, colocou no porta-malas do carro e se dirigiu para a oficina mecânica que pertence ao pai, no bairro Nossa Senhora das Graças, zona Norte de Uberlândia. Em seguida, depositou o corpo no latão e abandonou na estrada, no bairro Distrito Industrial, zona Norte.

Iron-guilherme-alves

Segundo informações da polícia, o homem chama-se Iron guilherme Alves e tem 23 anos (Foto: Reprodução / Redes Sociais)

Segundo informações da polícia, o homem chama-se Iron guilherme Alves, tem 23 anos, trabalha como mecânico e é filho do gerente da oficina da qual foi usado o tambor em que o corpo da jovem foi encontrado. Ele é casado e espera o nascimento do primeiro filho.

Entenda o caso:

O corpo de Késia foi encontrada na manhã da segunda-feira (19) jogado em um latão no Distrito Industrial de Uberlândia. O sepultamento aconteceu na quarta-feira (21) no Cemitério Bom Jesus, em Paraíso do Tocantins (TO), a 1.120 km de Uberlândia. A vítima foi velada em caixão fechado, que chegou, ontem mesmo, à cidade natal dela. Antes do sepultamento, ocorreu uma missa de corpo presente.

Késia Freitas foi vista, pela última vez, na sexta-feira (16), pegando um táxi na praça Tubal Vilela, setor central. A perícia da Polícia Civil informou que ela foi assassinada com uma facada no pescoço e que o crime pode ter ocorrido entre sexta e sábado (17), devido ao estado de decomposição.

Fonte: Correio de Uberlândia